23 outubro, 2009

A cantiga é[ra] uma arma/José Mário Branco



Canções como estas, conhecidas como "de intervenção", "eram armas de pontaria", mas parece só terem feito sentido quando a grande maioria dos seus autores defendiam ideais comunistas.

E agora? Não faria sentido que no Porto [José Mário Branco é natural do Porto], as novas gerações de estudantes desempregados fomentassem este modo de luta pela autonomia regional? Onde estão elas? A ouvir o Tony Carreira, ou a masturbar-se com as "goleadas" do Benfica?

2 comentários:

meirelesportuense disse...

As novas gerações não se masturbam, fazem sexo electrónico...

Anónimo disse...

Desculpem lá.
Não gosto do vosso "Ménu"
Prefiro "Punhetas de Bacalhau"

O PORTO È GRANDE VIVA O PORTO