27 outubro, 2009

Para o José Silva

Rui Moreira, pode ter reduzido as expectativas que, quiça involuntariamente, permitiu que se criassem sobre si mesmo, mas se há uma coisa que não me parece ser, é um alienado do futebol.
Acho-o até demasiado brando e diplomata para participar em programas desportivos onde nem sempre se reconhece que falar pouco [porque a melhor fatia do tempo vai para o cineasta], pode ser falar melhor. Onde outros, menos pacientes, teriam batido com a porta. Mas, alienado, não me parece, José... Já leu isto?

16 comentários:

dragao vila pouca disse...

É quando querem colocar rótulos às pessoas que falam de futebol, chamam-lhes alienados como se o futebol e no caso do F.C.Porto, o futebol não tivesse nada a ver com política...


Um abraço

Jose Silva disse...

Caro Rui,

lamento que ainda não tenha conseguido explicar:

Obviamente que Rui Moreira, Farinas ou Valente entre outros, por muito portistas que sejam, na minha opinião, NUNCA PODERÃO SER CONSIDERADOS ALIENADOS PELO FUTEBOL. Porque não ignoram os problemas da região e as vitórias do FCP nunca lhes farão esquecer, desconhecer ou abandonar a região.

Já os outros portistas, que prejudicados se calam, que sabem de cor o plantel mas não vislumbram as implicações da OTA ou não percebem o alcance da regionalização, são na minha opinião alienados. E são uma imensa maioria. Os resultados eleitorais e de referendos assim o demonstram.

Um avô que não conheci, era um pobre sapateiro numa das freguesias de Gaia. Por volta de 1950/60, ele gostava que o FCP ganhasse os jogos, apesar de não ser adepto. Às 2ª feiras vendia mais sapatos.

Anónimo disse...

A promiscuidade, a Alienação, a corrupção, o provincianismo e outros "defeitos" importantes, são sempre citados relativamente ao Grande Porto...

Ò Silva pareces um "sulista e elitista" a falar !!!

António Alves disse...

o José Silva não deixa de ter razão: se as pessoas encaminhassem tanta energia na defesa da região e na busca de autonomia política como, por vezes, dedicam aos assuntos futebolísticos as coisas só poderiam melhorar.

Rui Valente disse...

Caro José,

para ver se nos entendemos de vez, lembre-se: à excepção do nosso primeiro dia de vida, tudo na vida é político. Nem mesmo a morte é exactamente igual para todos, porque ainda há, como se diz na gíria, quem "não tenha onde cair morto". O futebol, está portanto incluído.

Sabe o que me espanta? É que você não fez ainda uma única referência aos "portuenses" que votam no Porto e não são portistas! Faz ideia quantos são? Actualmente há muita gente lá de baixo que veio para cá trabalhar e montou casa. Que papel é o deles? Também quer ignorá-los? Não me venha agora dizer outra vez que com esses vivemos nós bem, porque às tantas, é o sacrílego futebol, ou melhor, a clubite aguda desenraizada, que nos anda a tramar e duvido muito que sejam os portistas...

Percebe agora porque penso que não devia usar esse chavão alienatório do futebol? Porque "já tem barbas" e não é absolutamente o cerne do nosso problema. Como já lhe disse e vou repetir, para os portistas alienados [não me estou a incluir a mim nem às outras pessoas que citou] o futebol até lhes deve ter aberto os olhos para a política, mas, meu caro, contra a miséria que anda lado a lado com a indiferença, só uma solução: Revolução! A sério!

Anónimo disse...

Mas o FCP, hoje é muito mais que um clube...

Rui Valente disse...

Caro António,

pois, mas o problema está aí mesmo, o FCPorto é o único símbolo do Porto capaz de os mobilizar, não têm outro fora dele [do futebol].
A política, ou melhor, os partidos políticos de per si, infelizmente não conseguem mexer com as pessoas e por alguma razão deve ser.

O futebol é um escape, uma ilusória compensação. Mas tem esse condão.

Eu fiz uma pergunta ao José que queria ver respondida. O Porto, não é só o FCPorto. Certo? Há gente por cá que nem suporta o clube. Para onde pensam os meus amigos que vão as tendências politicas dessa gente? A favor da Regionalização, da autonomia? Não brinquem comigo. Só algumas aves raras e excepcionais.

Já se lhes disserem que vão acabar com o Pinto da Costa ou com o FCP, sou bem capaz de acreditar que comecem a pensar no assunto a sério. Talvez passem a regionalistas convictos. Como o Rui Rio...

Jose Silva disse...

Aleluia, António !

Jose Silva disse...

Rui,

para o FCP ser de facto um aliado dos interesses regionais era necessário que por exemplo, PdC apelasse novamente à Regionalização ou contra a OTA, ou por um PPR - Partido Portugues da Regiões.

Não acompanho o futebol o suficiente, mas parece que há mais de 10 anos que PdC não defende frontalmente a região nos aspectos materiais, econónimcos e políticos. Era uma grande ajuda se o fizesse. Só assim se provaria a sua tese que o FCP trás adeptos para a causa da região.

Rui Valente disse...

Lamento decepcioná-lo José, mas os seus argumentos não me convencem.

Além de que, continua sem me dar resposta ao que lhe perguntei:

para além dos alienados "portistas", não tem nada a dizer àcerca dos alienados portuenses que não são portistas?

Ou esses são todos gente esclarecida e defensores da causa regional?

Você não tem razão!

Deixe o Pinto da Costa em paz!

Jose Silva disse...

para além dos alienados "portistas", não tem nada a dizer àcerca dos alienados portuenses que não são portistas?

são alienados pelas derrotas ou pelo passado glorioso do Benfica

são minoritários a Norte

são distraídos por outras alienações

dragao vila pouca disse...

Há quem seja alienado pelo futebol, pelo cinema, pela música, pela política, mas há também, quem seja alienado pelo umbigo...

Um abraço

Rui Valente disse...

Pois, serão minoritários a Norte, mas têm direito a votar, e votam não é assim? E em quem é que pensa que votam? No Pinto da Costa? Na Regionalização?

Não será à toa que o José só fala dos portistas, porque, quer você queira ou não, a grande maioria das pessoas do país GOSTA de futebol, até as mulheres!

O que o José devia dizer, para não parecer que está a fazer crítica discriminatória, era:"os portugueses distraem-se demais com o futebol!". Só parcialmente aceito a sua tese, e mesmo assim,só se fôr bem construída.

Raramente vou ao estádio, mas vou de vez em quando. Acontece que uns lugares atrás do meu está sempre uma família de fanáticos portistas que mal o jogo começa, desatam a protestar. A única mulher dessa família é a pior. Berra, insulta os jogadores, pinta a macaca! Apesar do incómodo que provoca nas outras pessoas, já ninguém lhes liga. O resto dos espectadores mantém uma postura normal,impecável, civilizada. Mas, há uma coisa em comum entre eles: todos gostam de futebol!

Quando você fala numa minoria,está a desprezar um número impreciso de eleitores que têm apesar disso influência nas decisões políticas e, em rigor, não devia fazê-lo.

Eu aqui, aceito comentários de toda a gente desde que não ultrapassem os limites do que acho razoável. Aceito os comentários de pessoas que gostam de futebol, porque são cidadãos como os outros com direito a dar a sua opinião mesmo que não me reveja nelas.

Além disso, tento desta maneira fazer com que se interessem por outras coisas, como pela situação política, pela discriminação que é feita ao Porto. Procuro canalizar [com pouco sucesso é verdade] as suas energias [como diz o António] para coisas mais importantes. É difícil? Muito! Mas prefiro agir assim do que transformar este blogue numa espécie de "clube de pensadores" elitistas que não são, nem de longe nem de perto as pessoas mais importantes da cidade. Mais. Quando postava na Baixa do Porto, uma das minhas primeiras mensagens foi "alertar" o TAF e os leitores que não era com blogues que o problema do Porto e do Norte se resolveria. Há ainda muita gente que não tem computador. Há muito analfabeto. Por quê? Porque continuamos a ser um país fisicamente europeu mas económica e intelectuamente quarto mundista!

Não acredito em Dons Sebastiões, mas que precisamos de alguém com eles nos sítio, precisamos.

Anónimo disse...

Este josé Silva: é daqueles que
não gosta de futebol, nem tem clube.

Mas destes eu já os conheço...

Ou é abutre vermelho!... ou aqui há gato.

A mim não me enganas tu.

O PORTO È GRANDE VIVA O PORTO.

Jose Silva disse...

Até aos 20 anos era sportingista. Hoje sou portista. Mas efectivamente não acompanho o futebol nem mesmo a selecção nacional.

Miguel Pereira disse...

Efectivamente o grande problema é como o Rui especifica: o FC Porto é o unico simbolo da cidade. E a nivel de exportaçao internacional, o único elemento da Invicta, a par do vinho, que se reconhece fora de portas.

Isso é dizer muito da importancia do clube para a mobilizaçao da populaçao. Mas claro que a cidade nao é exclusivamente portista. Sempre conheci muitos benfiquistas de zonas bastante pobres da cidade, há anos houve uma "febre" de boavisteiros e quem nao tem um amigo salgueirista de alma?

Colocar todo o enfoque no FCP é desprezar todos estes cidadaos que vivem, trabalham, nascem e morrem na cidade. E que também é deles. Apostar numa politica regionalista acente no FCP é desprezar quem está contra o clube e isso será sempre um aspecto negativo.

Aquando do primeiro referendo muitos votaram contra precisamente porque a cupula portista fez campanha a favor. Hoje passaria o mesmo. Tem de ser um movimento transversal da sociedade a puxar pela autonomia da Invicta. Se o FCP continua a ser a nossa grande bandeira lá fora (e pena é que ao Boavista e o Salgueiros nao tenha surgido a ajuda necessária) é optimo. Mas nao chega.

É preciso encontrar elementos que unam todos os sectores da populaçao ou entao nichos que se sintam apoiados. O meio artistico (há poucas cidades que gerem tantos artistas como o Porto), o meio comercial do qual o Rui Moreira faz parte, o meio popular...enfim, todos nós.

um abraço

Miguel Lourenço Pereira