12 agosto, 2010

Dou um rebuçado



Na relação directa com a intensidade dos fogos, os próximos tempos de antena das televisões vão, pela certa, ser ocupados [e inflaccionados] com os "sábios" pareceres dos protagonistas do costume: gente ligada ao poder, sempre ela. Ou seja, os primeiros responsáveis pelos incêndios...

Secundariamente, deveriam seguir-se os pirómanos pés-rapados, aos quais, por motivos óbvios, não seriam "naturalmente" requeridas quaisquer opiniões sobre a matéria ...

Darei um rebuçado [não me arrisco a dar mais...], à primeira estação de Tv que ousar quebrar as regras deste jogo viciado e sujo, convidando para falar sobre os incêndios outro tipo de pessoas, como sejam: gente do povo, lavradores, bombeiros e proprietários de terrenos.

Os rebuçados estão caros...

5 comentários:

R.M.Silva da Costa disse...

Ontem, José Maria Costa,(PS) presidente da Câmara de Viana do Castelo, teve três segundos para dizer na TV se os lobos do Gerês eram mais importantes que as pessoas e habitações de Cardielos, (freguesia a 10 km da cidade) para terem os meios de combate aos fogos que faltaram no incêndio do monte de São Silvestre.

Rui Valente disse...

Meu caro RMSilva da Costa,

o que era deveras importante, era não deixar o país todo a arder, mas para isso, seria preciso prevenir, coisa que nunca acontece.

Os governantes preferem chorar sobre o "fogo" derramado. É mais simples, e deve dar milhões...

dragao vila pouca disse...

Rui, não é, infelizmente, só sobre os incêndios, é sobre tudo. São sempre os mesmos falam de tudo, mas sempre politicamente correctos, que procuram sempre ter o discurso que agrada a gregos e a troianos.

LAM disse...

Está mais que provado ao longo de muitos anos: a solução ou está na prevenção ou pouco há a fazer. Com o tempo quente e o vento a ajudar, não há helicópteros, bombeiros ou aviões que resolvam o incêndio.

O que acontece é que, sempre que aparece alguém a propor que parte da verba orçamentada para o combate aos fogos seja orientada para a prevenção, com meios humanos e materiais, logo aparecem comandantes de bombeiros, "especialistas" de protecção civil e demais tralha associada, com o partido político (um dos do costume do ora governas tu, ora governo eu, que esteja em stand by) a aproveitar a boleia da "contestação" e a coisa acaba por morrer pelas intenções. Desta maneira, todos os anos é a nossa sina.

Rui Valente disse...

Não aparece ninguém a propor soluções sérias para enfrentar este problema, só oportunistas, vendedores de material de combate aos fogos, porque é isso que rende.

Estabelecer bons planos de prevenção e pô-los em prática, isso é que já é mais complicado...os Governos existem para remediar.

Eu dizia-lhes como era.