08 novembro, 2009

O Grande Polvo, é muito mais que futebol


A presunção de inocência de qualquer cidadão, incluindo daqueles que são constituídos arguidos, é algo a que se dá maior atenção consoante o perfil desses cidadãos e arguidos. Se a figura pertencer a um clube de futebol como o FCPorto e Pinto da Costa, a Procuradoria atalha caminho, promove entrevistas e nomeia equipas de investigação "especializadas" sem se preocupar minimamente em poupar a imagem do visado, alimentando sem grandes escrúpulos a voragem da comunicação social.

Vimos a triste figura do Sr. Procurador e de Maria José Morgado com todo o processo do Apito Dourado - cujo principal objectivo era, como sabemos, derrubar a liderança do Presidente do FCPorto e o próprio clube -, sem que, afinal, houvesse matéria incriminatória que a justificasse [se é que pode haver justificação possível para pessoas com este poder, fazerem figuras tristes...].

O populismo, a sede de fazer justicialismo à la carte, de mostrar serviço para agradar aos poderes regimentais e respectivas instituições desportivas [benfica e sporting], não os coibiu de levar aparatosamente a tribunal Pinto da Costa, acompanhado de agentes policiais como se faz com os arguidos que se recusam a comparecer voluntariamente às audiências [e mesmo assim, só em casos de perigo extremo]. Fizeram-no com o Boavista, arredando o histórico clube portuense da 1ª divisão à velocidade da "Luz", ainda que, com a cumplicidade irresponsável dos seus ex-presidentes [Valentim pai e filho], coisa impensável se o clube pertencesse a uma instituição desportiva da capital. Sem pudor, nem piedade, ajudaram ao funeral.

Tudo isso, para noutras circunstâncias e com protagonistas de outra dimensão social e responsabilidade política, serem tímidos, ambíguos e lentos no despacho de processos, como agora aconteceu com as certidões que há 4 mêses foram entregues pelo Departamento de Investigação de Aveiro na Procuradoria Geral da República!

O puzzle vai ganhando forma, e, como se pode verificar pelo teor do texto retirado do Público de hoje [em cima], as ligações promíscuas entre o futebol, a política e comunicação social, são muito mais profundas e gravosas para o erário público do que a "fruta" e as aleivosias de Carolina a Pinto da Costa. Dá para entender porque é que os senhores jornalistas nem sempre vão ao fundo das questões, e porque o Norte não tem quem o defenda. O "Polvo" é gigante. Está tudo comprado. Os rabos de palha são mais que muitos, e a maioria deles vão continuar a ficar no segredo dos Deuses, e a culpa é do Pinto da Costa...

4 comentários:

Juan disse...

Será que uma das "fontes" (€) do Benfica vai secar?

Zé Luís disse...

Muito bem!


Mas não estranho.

Nem me surpreende o facto de ninguém se demitir.

Ou de alguém impor uma demissão.

As eleições perpetuam, até quando?, este estado de coisas.

Só não vê quem não quer.

O País afunda-se na mais nauseabunda podridão.

E vai pagar por isso, muito caro, muita gente.

Rui Valente disse...

Já estamos a pagar, Zé Luís!

Rui Valente disse...

Juan,

a fonte [€] BCP Millenium pode não secar, mas fica um bocadinho mais poluída...