29 janeiro, 2008

O paradoxo da prostituta

Na caixa de comentários do Avenida Central, a propósito deste post, e também do comentário do intitulado "Degolador", que é um bom exemplo duma espécie de pensamento que, a meu ver, é recorrente nestas questões da Regionalização, escrevi, por minha vez, o comentário que aqui reproduzo.

15:47Degolador disse...Pois pois...estes gajos do Porto nunca me enganaram!A falar de regionalização nuns encontros denominados "Porto: Cidade Região" ... o que eles querem sei eu.Cada vez menos me sinto inclinado a deixar cair a bandeira das 2 ou 3 regiões a norte do Douro ... é que o Porto não me está a inspirar nenhuma confiança. Para ser dependente (e explorado) por alguém, sempre prefiro ser chulado directamente por Lisboa, que já sei com funciona.

16:21António Alves disse...Rui Rio nunca foi regionalista e nunca o será. Rui Rio é apenas um oportunista profissional que vê as coisas a andar para trás (Eleição de Menezes a líder do PSD) e agora quer ser reeleito para a Câmara, pois não tem para onde ir. Como no Porto já começam a descortinar a fraude que ele é convém agora mostrar-se regionalista. Com o tempo, se for necessário, até será capaz de ir ao Dragão assistir a uns jogos.
Agora quanto ao "degolador": continue com esse pensamento e o melhor que poderá acontecer ao seu Minho será o caminho da extinção tal como está a acontecer a Trás-Os-Montes. A sua declaração de amor ao "chulo" é eloquente. É esse o paradoxo da prostituta: o chulo bate-lhe e explora-a, mas ela não o deixa porque pelo menos esse ela já conhece. Como paradigma de pobreza intelectual não podia ser melhor.17:22

3 comentários:

Rui Valente disse...

Caro António

Não sei como ainda tem pachorra para aturar esse "Morgado minhoto, sem pingo de carácter. É tempo desperdiçado, pode crer.

Seja bem vindo

António Alves disse...

água mole em pedra dura... :-)

Rui Valente disse...

...tanto dá, até que fura. Só que esse "Morgado" é mais estúpido que uma pedra...