06 janeiro, 2009

O Trio de Ataque, da RTPN ("N", de Notícias...)



Hoje é dia do programa "Trio de Ataque", na RTPN ("N", de Notícias, como a RTP faz sempre questão de destacar, para não confundir com a anterior herética expressão : "N ,de Norte" que sobrou da defunta NTV). Mas, adiante.

Veremos se (como é de prever), o programa vai ser, pela enésima vez, insuportavelmente dominado pelo Benfica e pela recente derrota na Trofa, com a respectiva perda do 1º. lugar no Campeonato, ou se, é devidamente repartido em termos temporais pelos outros dois clubes (FCPorto e Sporting). Hugo Gilberto, o novo pivôt do programa, não veio acrescentar nada de novo à linha seguida por Carlos Daniel, muito maquilhada de fair-play, mas benficodependente, até dizer chega. Não tenho dados para o afirmar, mas palpita-me que a RTP escolhe a dedo os homens que fazem estes trabalhos, de forma a garantir o protagonismo da praxe ao clube da ave de rapina , fiel representante do centralismo ( como foi da ditadura).

É mais do que óbvio e notório, que os critérios para a selecção dos convidados da RTP (paga com o dinheiro de todos os portugueses) para programas deste género, nunca pautaram pela isenção ou pelo pluralismo. Quando, por exemplo, convida ex-jogadores de futebol, ou ainda no activo, para participarem em eventos deste tipo, vai sempre buscá-los à «cantera» dos clubes de Lisboa. A espaços, lá faz um convite quase sempre efémero a um jogador do FCPorto (o último, foi Jorge Costa) para lançar um pouco de areia para os olhos dos mais atentos, e depois, prossegue implacável e descarada, a sua saga sectária de anti-portismo.

O FCPorto - descontando os sucessos do passado, que também os teve, e muitos -, tem sido, nos últimos 30 anos, o clube português com mais êxitos conquistados, dentro e fora de portas, apesar de todas as trapaças, de todas as queixinhas e de todos os "apitos" (envenenados). O FCPorto, tem dado uma visibilidade ao país, a nível internacional, que o postiço "glorioso" jamais conseguiu, mesmo nos tempos arqueológicos do moçambicano Eusébio.

Só por estes factos, num país normal, que sabe viver as glórias do presente, num país coeso, sério e descentralizado, o Futebol Clube do Porto, independentemente do elevado número de adeptos que já tem, devia ter o respeito e a projecção mediática que indiscutivelmente merece. É por estas razões, que considero atrofiante a ideia estereotipada de que o futebol, para o povo, é desviante dos assuntos mais sérios. Os da política, não o são mais (para os mais cépticos,recordo que há um ex-ministro, actual conselheiro de Estado, que terá de prestar contas à justiça).

Não tenho a mínima dúvida de que, no fundo, ninguém acredita na envolvência efectiva de Pinto da Costa, nas novelas pré-fabricadas pelo processo "Apito Dourado", tal como as quiseram pintar. Nem mesmo os seus inventores (eles sim, com rabos de palha por todo o lado), já acreditam na eficácia da trama.

Felizmente para nós, portuenses/portistas (que bela simbiose), há mais vida - leia-se, justiça - para além da "al-Lixbûnâ (Lisboa, em árabe).

Existe ainda uma Europa. Fraca e enferma, é verdade, mas ainda com alguns valores. Valha-nos isso.

11 comentários:

Anónimo disse...

As gayvotas querem-nos lixar seja de que maneira fôr.Os golos do Trofense foram ilegais.Um foi marcado por um puto REGUILA sem idade para ser senior o outro foi marcado em excesso de velocidade - a 105 Kms./h-só podia ser a 50.O bruxo Alves já disse que este ano os lampiões nem à Europa irão... Com todo o speed a caminho do TETRA... Adolfo Dias

dragao vila pouca disse...

Meu caro Rui, se o portista do Trio de ataque não fosse tão politicamente correcto e de vez enquando, desse uns murros na mesa e chamasse os bois pelos nomes, as coisas melhoravam, assim, é como você diz...
Umas vezes é porque estão na maior...na semana seguinte...é porque estão na pior.
Acho que nem vale a pena perder tempo.Se houver qualquer coisa de interessante, amanhã, no site vê-se.
Um abraço

Rui Valente disse...

Caro Vila Pouca,

Compreendo onde quer chegar, Vila Pouca, mas, a RTP, quando tem pela frente portistas politicamente "incorrectos" ( como eram o Pedro Baptista e até o Pôncio Monteiro) arranja sempre maneira de os «despachar» e substituí-los por outros, mal eles comecem a mostrar as garras...

Talvez também seja essa a razão que leva o Rui Moreira a ser mais sereno que os anteriores representantes do FCP, não sei.

A verdade é que não deixa de lhes responder, à sua maneira. Eu atribuo essa postura a uma questão de temperamento, mas não a falta de coragem, que acho que a tem.

Um abraço

Rui Valente disse...

Como era previsível, o programa de ontem, dedicou 3/4 de hora ao Benfica e às sua angústias existenciais. Os outros 3/4 foram divididos pelo Porto e Sporting. Muito
democrático, sem dúvida.

Rui Moreira disse...

o trio d'ataque dedicou metade do tempo ao benfica? ainda bem. quer dizer que no FCP está tudo normal, obrigado. Foi isso que resultou d programa.

quanto à questão dos convidados
do trio de ataque:

até hoje foram lá, para além do Freitas Lobo que é um omentador extra, e salvo o erro ou omissão:

Dirigentes de clubes:
LF Vieira
Dias da Cunha
Soares Franco
segundo sei, o presidente do FCP nunca aceitou o convite.

Dirigentes institucionais:
Vitor Pereira
Herminio Loureiro
Ricado CostaJoaquim Evangelista

Treinadores:
Fernando Santos
Manuel Cajuda
Paulo Bento
Manuel José
Jesualdo Ferreira (então no Braga, de saída para o Boavista)
Domingos Paciencia
Toni
Ulisses Morais
etc

Jesualdo Ferreira - enquanto treinador do FC Porto - recusou o convite por não estar autorizado.

Jogadores e ex-jogadores:
João Vieira Pinto, Fernando Gomes (que por acaso foi do FC Porto) e alguns mais...

tentou-se V Baía, enquanto jogador do FC porto, para vir falar, como o seu colega, sobre a selecção e a sua exclusão. Não terá sido autorizado.

O FCP entende não colaborar com o programa. é uma opção que respeito.
Pinto da Costa prefere a SIC? é a sua opção.

Rui Valente disse...

Caro Rui Moreira

Seja benvindo!Não é apenas dessa maneira que eu vejo as coisas. Acho, que não nos devemos contentar com a arbitrariedade da RTP só porque o excesso de cobertura dado ao Benfica traduz a anarquia reinante no clube e os faz cair no ridículo.

Nós temos o DIREITO de ser tratados com equidade e respeito, nós somos os campeões nacionais em título! Honestamente! Não o Benfica.

Não faço ideia do que leva Pinto da Costa a optar pela SIC e também não aplaudo a preferência. Mas há uma diferença: a SIC é uma estação privada e a RTP é do Estado, paga também com o dinheiro dos portistas!

Actualmente, a menos sectária até é a TVI. De resto, que venha o diabo e escolha.

Não me referia só à RTPN, mas à RTP, que usa e abusa em maçar-nos com as questões do Benfica e quase nos ignora.
Além disso, o seu colega de painel benfiquista,está constantemente a provocá-lo com constantes insinuações pouco abonatórias dos sucessos do FCPorto e isso começa a cansar. Obrigá-lo a justificar, com provas, as acusações que continua a fazer talvez não fosse má ideia, já era tempo...Eu fá-lo-ia, mesmo que fosse a última vez que participava no programa.

Um abraço

Rui Moreira disse...

eu respondo ao APV lembrando-lhe o calabote, o clube do regime.
perguntando-lhe que batota fizemos para termos os titulos europeus que temos.
à minha maneira, naturalmente.

quanto à TVI, acho que se está a esquecer das transmissões televisivas do ano passado.

um abraço do
Rui

Anónimo disse...

Lixbuna vêm da expressão Visigótica(de Olisipona Romana e antes Nativa)
(Al)Ashbuna era a Árabe(adaptação do nome Lusitano original e romano, e godo Lishbona). Portanto mais rigor.
Mas é algum desprimor a vasta herança moura em Espanha e Portugal? Embora o nome não seja árabe.
Nome Arabe mesmo é Majrit "fonte de Águas" (embora povoado prévio Celtibérico) Capital de Espanha.

Historiador

Rui Valente disse...

A conquista muçulmana
Afonso Henriques

Após três séculos de saques, pilhagens e perda de dinâmica comercial, Ulishbuna seria pouco mais que uma vila no início do século VII. É nesta altura que, aproveitando uma guerra civil do Reino Hispânico Visigótico, que os árabes liderados por Tariq invadem a Península Ibérica com as suas tropas mouriscas, em 711. Olishbuna foi conquistada pelas tropas de Abdelaziz ibn Musa, um dos filhos de Tariq, assim como o resto do Ocidente.

Lisboa foi então tomada no ano 719 pelos mouros provenientes do norte de África. Em árabe chamavam-lhe al-Lixbûnâ. Construiu-se neste período a cerca moura.

Wikipédia (sem rigor...)

Anónimo disse...

"Mais uma vez Lisboa, conhecida pelos árabes como al-Ushbuna, torna-se um grande centro administrativo e comercial para as terras junto ao Tejo"...,em breve a expressão àrabe ou Berber que utilizavam o Arabe alteraria o Ulishbuna(derivado do visigodo e pré-visogodo para (Al)Ushbuna(ou Aushbuna como se especula) Al-Ushbuna.
A Lixbona e Olishbona é do tempo Suevo e Godo( e prévio ao tempo destes povos(Olissipo-Ulissipo - Olisipona Pré-Romano e romano) - seja como for é provável que continuasse a ser assim chamada pelos Moçarabes e Reinos Cristãos a norte sem interrupção, pese a ocupação Árabe, Reconquistadores Cristãos que utilizavam o nome mais Godo e Pré-mouro que mouro: Lisbona ou Lixbona (com a supressão do "U" ou "O" na fonética)

Sevilha sim ficou marcada pelo Árabe: Hispalis-(H)Isbilla-Sevilla- mas não deixa de ser pré-Arabe como Mértola(menos marcada por alterações) e muitas outras.

Outras são mesmo nomes Arabes.

A norte há mesmo os Mafamudes e não só mas muito fruto do sincretismo Cristão a norte e a sua mundividência nesses tempos de contacto, confronto, mas também de trocas entre das duas culturas nas sucessivas zonas de fronteira.

Vitor disse...

Como se podem queixar do dominio do benfica em tudo que é programa televisivo ou tudo que tenha a ver com desporto(jogado ou falado), se mesmo em blog's do e sobre o Porto o assunto mais falado é o benfica?

Quanto ao trio de ataque que em tempos era o melhor programa desportivo esta completamente fora de controlo, onde o que se descute 90% do tempo é qual o clube mais prejudicado pelas arbritagens, onde cada um puxa a brasa á sua sardinha...