16 outubro, 2009

Prédios da Baixa continuam a desmoronar-se

Após a derrocada de um edifício na Rua Formosa, na semana passada, os prédios da Baixa do Porto voltam a estar em perigo. Ontem, ruíram partes de dois prédios: um na Travessa da Bainharia e outro na Rua de Camões.

A queda de alguns azulejos da fachada de um prédio na Travessa da Bainharia, no Centro Histórico do Porto, levou, ontem de manhã, à intervenção do Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto, que, munidos de uma auto-escada, retiraram partes em perigo de cair. "Retirámos alguns azulejos que estavam soltos, mas a fachada não aparenta oferecer mais perigo. Pelo menos para agora", referiu fonte dos Sapadores do Porto.

A via entre a Rua Escura e a Travessa da Bainharia ficou cortada durante cerca de uma hora, enquanto os bombeiros removiam os detritos.

Mais tarde, cerca das 17.30 horas, os Sapadores do Porto receberam outro alerta para outro edifício em perigo de ruir. Desta vez, o batalhão foi chamado para uma casa não habitada no número 537 da Rua de Camões. Um pedaço de madeira, muito degradada, caiu da varanda para o passeio. Por sorte niguém foi atingido. No entanto, fonte dos Sapadores do Porto assegurou que o edifício não é considerado de risco.
Recorde-se que, na quarta-feira passada, ocorreu uma derrocada na Rua Formosa, no local dos antigos armazéns Lã Maria, fechados há mais de 30 anos. Nessa mesma rua encontram-se, ainda, cinco edifícios em estado de degradação semelhante ao do edifício que se desmoronou.
Estes três casos não são excepção, uma vez que 36% dos edifícios do Centro Histórico do Porto, ou seja 683 imóveis, estão em mau estado ou em ruína.
[Fonte: JN]

1 comentário:

Luis disse...

Os Portuenses neste momento só têm aquilo que merecem!
Quando a orelha torcer, já o rio desaguou noutro sitio, valha-nos ao menos isso.