01 fevereiro, 2009

Isto sim, é o real Trio de Ataque: a alegria do «Povo»...

Se alguém ainda tiver dúvidas sobre a pluralidade da imprensa desportiva «portuguesa», os jornais de hoje da especialidade, estão aqui, bem vermelhos e «originais», para as dissiparem.

Tão pobre vai a imaginação destes mercenários da imprensa da bola, que já não conseguem diferenciar os títulos e a côr das primeiras páginas! Vejam bem, ceguinhos centralistas, homens do verniz foleiro, campeões da hipocrisia. Coloquem umas lentes bem fortes, um telescópio, para não voltarem a auto-flagelar a vossa já tão penosa imagem.

Ah! É uma boa altura para recordar aos senhores «jornalistas» que andam por aí aflitos, a tentar arranjar assinaturas para petições de solidariedade, que as procurem fora desta região, lá mais para os lados da segunda circular. Pela minha parte, com esta forma de fazer «jornalismo desportivo», só posso congratular-me com a vossa condição de pedintes desavergonhados.

Nota do RoP

Para que são precisos três jornais desportivos se os três dizem o mesmo, para a mesma clientela? Sugiro que façam a fusão entre si e criem um só jornal, com este nome:

O LIXO DESPORTIVO

(assim mesmo, encarnadinho)

7 comentários:

dragao vila pouca disse...

Tanta mediocridade e tanta falta de originalidade...não há limites para a pouca vergonha!

Resiste F.C.Porto!

Um abraço

Anónimo disse...

Trata-se "absurdo centralismo" ou "colonialismo" ???!!!

António Alves disse...

caro rui valente, não se irrite. eles são ridículos e parolos. além disso o regime lá pela lusinatânea aafunda-se na mais pestilenta enxovia. é preciso distrair a populaça. faça como eu: sente-se e assista divertido ao fim de uma época :->

Jorge Aragão disse...

Essa do Anónimo está de Mestre...Bem apanhado.

Rui Valente disse...

Caro António,

Tem razão. Vou seguir o seu conselho e aguardar qua a «macieira das off-shores» caia de pôdre.

Anónimo disse...

Excelente post, muito bem observado

Anónimo disse...

Por acaso ainda não vi nenhuma petição para subscrever a favor de jornalistas, mas estranhei o título do JN a propósito do "apito final". Concluo agora o porquê daquela "estranha" 1ª página. Querem clientela. Por mim, podem ir pregar a outra freguesia. Vai-lhes acontecer o mesmo que sucedeu com a revista de domingo.